Panorama Internacional Coisa de Cinema chega a sua 13ª edição

Quase 140 filmes produzidos no Brasil e em vários outros países serão exibidos ao longo do XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema, que acontece entre os dias 8 e 15 de novembro, em Salvador e Cachoeira. Mais de 1200 produções foram assistidas pela equipe de curadoria para definir as competitivas Nacional de Longas, Nacional de Curtas, Baiana e Internacional. Nas competições de filmes brasileiros, haverá debate com os realizadores após a maioria das sessões.

Com patrocínio da Petrobras, apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura, e apoio institucional da Prefeitura de Cachoeira, o XIII Panorama traz um novo foco para a Competitiva Nacional de Longas, que a partir de agora será formada por diretores que estão realizando até o segundo longa-metragem de suas carreiras. A seleção deste ano reúne apenas cineastas estreantes no formato.

“Quando começamos a realizar o Panorama, abraçamos uma nova geração de curta-metragistas extremamente talentosa. Aos poucos, essa geração realizou seus primeiros longas e ganhou o mundo. Uma nova geração está chegando. Com novos desafios, com estética e questões distintas”, explica Cláudio Marques, coordenador e curador do festival.

Dezesseis produções da Bahia, Pernambuco, Ceará, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais compõem a Competitiva Nacional de Curtas.

A Competitiva Baiana reúne 26 filmes produzidos em Salvador e no interior da Bahia. Os seis longas selecionados são os documentários Quilombo Rio dos Macacos (Josias Pires), Diário da Greve (Guilherme Sarmiento), Xará (Matheus Vianna), Elogio à Utopia (Caio Araujo), Do Sul ao Norte (Isbela Faria) e Zélia - Memórias de Amor (Carla Laudari). A mostra é completada com 20 curtas-metragens.

O cinema realizado em treze países, seja com produções individuais ou em parceria, está representado nos sete longas e 13 curtas da Competitiva Internacional. Entre os os longas selecionados estão Rei (Rey), de Niles Atallah, premiado no Festival de Roterdã; e A Ciambra, de Jonas Carpignano, vencedor do Europa Cinemas Label do Festival de Cannes. Também premiado em Roterdã, o curta Saudações de Aleppo (Greetings From Aleppo), de Issa Touma, Floor van der Meulen e Thomas Vroege, documenta histórias de pessoas comuns que permanecem na cidade destruída.

Homenagens – O cinema nacional também está em destaque nas homenagens que acontecem nessa edição. Uma delas é ao ator Paulo José, que completou 80 anos em março e fez cerca de 50 filmes ao longo da sua carreira. No dia 11 de novembro, será exibido o documentário Todos os Paulos do mundo, de Gustavo Ribeiro e Rodrigo de Oliveira, que debaterá o filme com o público após a exibição. A homenagem inclui ainda a exibição de Macunaíma e O Padre e a Moça, ambos de Joaquim Pedro de Andrade.

O Panorama irá render homenagens aos cineastas Guido Araújo, Geraldo Moraes e Luiz Paulino dos Santos, todos falecidos este ano. Parte da trajetória de Guido será resgatada com a exibição dos episódios 1 e 5 da série O Senhor das Jornadas, dirigida por Jorge Alfredo. A obra de Geraldo estará representada por A Difícil Viagem e a de Luiz Paulino por Índios Zoró - Antes, Agora e Depois?.

Inspiração para a identidade visual desta edição, o cartazista Renato Fróes terá seus trabalhos expostos no foyer do Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha durante o festival. Falecido em 2012, ele produziu anúncios de filmes entre as décadas de 1940 e 1980, montando os originais com cartolina, utilizando tinta guache, nanquim e cola.

Realizada em parceria com a Dimas (Diretoria de Audiovisual da Fundação Cultural do Estado), a sessão Cineclube Walter da Silveira traz A Grande Cidade (1966), de Cacá Diegues, em cópia restaurada.

A história do cinema baiano também está no centro da mostra 40 anos - Lumbra Cinematográfica, que relembra o movimento formado por José Araripe Jr., Edgard Navarro, Pola Ribeiro e Fernando Belens na década de 1980. Serão exibidos os curtas-metragens Contos de Farda, Porta de Fogo, A Lenda do Pai Inácio, Heteros e Na Bahia Ninguém Fica em Pé.

Em estreia mundial, o documentário UPB - Tempestade Emocional, de Cecilia Amado, será exibido no dia 13. O filme é um ensaio documental sobre a Orkestra Rumpilezz e a trajetória do maestro Letieres Leite, que elevou o estudo dos ritmos de matriz africano ao patamar da música erudita, após identificar que as músicas populares das Américas partem dessas clavez rítmicas.

Sessões especiais – A sessão especial A Mulher no Cinema exibirá o longa Cinéast(e)s, de Julie Gayet e Mathieu Busson, que entrevista diretoras para debater a participação feminina na arte cinematográfica; e o curta Histórias Maternas (Histoires Maternelles), de Anouk Dominguez-Degen, que explora as nuances dos instintos maternos. “Nossa proposta é criar um espaço de reflexão sobre o lugar da mulher no cinema”, explica Marília Hughes, coordenadora e curadora do Panorama.

A programação inclui outras duas sessões especiais. A primeira delas irá exibir Zama (2017), de Lucrécia Martel, longa que traz a saga de um oficial da Coroa Espanhola nascido na América do Sul. A segunda sessão será com A Negação do Brasil (2000), de Joel Zito Araujo, que analisa o papel dos atores negros na história da telenovela.

Produções recentes do cinema português e italiano serão exibidas em duas mostras tradicionais, a Sessão IndieLisboa e o Panorama Italiano. O cinema internacional também estará na Mostra Clássicos, que este ano reúne nove filmes realizados entre 1928 e 2001.

Em parceria com o Goethe-Institut (ICBA), o festival realiza uma extensão da mostra IMPLOSÃO - Trans(relacion)ando Hubert Fichte, que será aberta em 7/11 no Museu de Arte Moderna. O Panorama irá exibir fotofilmes realizados por Fichte, que era escritor, e sua companheira, a fotógrafa Leonore Mau, entre 1966 e 1971.

Uma novidade deste ano é a mostra Divercine, uma parceria com o Festival Internacional de Cine para Niños y Jóvenes (Divercine), realizado em Montevidéu e outras cidades uruguaias. A mostra reunirá curtas sem diálogos, que utilizam diferentes técnicas de animação, e os participantes contarão com um espaço especial no foyer do Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha.

Pensando cinema – Realizadores e amantes do cinema contam ainda com as oficinas gratuitas de Crítica Cinematográfica e Direção de Arte. A primeira ministrada pelo pesquisador e crítico de cinema André Dib, que é membro da diretoria da Associação Brasileira dos Críticos de Cinema (Abraccine).A segunda está sob o comando da cenógrafa e diretora de arte Carol Tanajura, que assina Direção de Arte dos longas A Finada Mãe da Madame (Bernard Attal), A Cidade do Futuro e Guerra de Algodão (Cláudio Marques e Marília Hughes), entre outros.

O papel de incentivador da produção cinematográfica e da reflexão sobre seus processos é reforçado pelo PanLAB - Laboratório de Roteiros. Nesta edição, o roteirista Aleksei Wrobel, o diretor e roteirista Caetano Gotardo e a roteirista e mestre em processos audiovisuais Iana Cossoy Paro são os consultores que realizarão sessões individuais com os autores de cada um dos 11 roteiros selecionados.

Confira a programação completa e maiores informações no site http://coisadecinema.com.br/xiii-panorama/

Fundo de Cultura do Estado da Bahia (FCBA) – Criado em 2005 para incentivar e estimular as produções artístico-culturais baianas, o Fundo de Cultura é gerido pelas Secretarias da Cultura e da Fazenda. O mecanismo custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada. O FCBA está estruturado em 4 (quatro) linhas de apoio, modelo de referência para outros estados da federação: Ações Continuadas de Instituições Culturais sem fins lucrativos; Eventos Culturais Calendarizados; Mobilidade Artística e Cultural e Editais Setoriais.



Serviço:

XIII Panorama Internacional Coisa de Cinema
Data: 08 a 15 de novembro
Local: Espaço Itaú de Cinema Glauber Rocha / Cine Theatro Cachoeirano
Valor:
Salvador - R$ 10,00 (inteira)/ R$ 5,00 (meia) avulso – R$ 40,00 passaporte com 10 ingressos
Cachoeira - Gratuito
Programação: coisadecinema.com.br/xiii-panorama/

Estacionamento parceiro: Premium Park Barroquinha (Direto na garagem: R$5 /hora - Manobrista na porta do cinema: R$10 primeira hora + R$5 /hora)

Recomendar esta página via e-mail: